in

TCE reprova contas de três municípios em última sessão de 2017

Julgamentos são referentes às prestações de contas dos anos de 2011 e 2012. As cidades de Quixelô, Mombaça e Catunda serão notificadas pelo Tribunal de Contas. O tribunal entra em recesso na próxima segunda-feira e retorna aos trabalhos em 5 de janeiro

Na última sessão do pleno, antes do início do recesso de final de ano, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) aprovou parecer prévio por irregularidade em três prestações de contas de governo. Foram as de 2011, do município de Quixelô, e de 2012, dos municípios de Mombaça e Catunda.

Os prefeitos à época podem ficar impedidos de pleitear cargos públicos, a depender do julgamento das respectivas Câmaras Municipais, que só poderão contrariar o posicionamento do TCE por maioria de pelo menos dois terços de seus vereadores.

As contas de Quixelô, relatadas pelo conselheiro substituto Davi Barreto, foram reprovadas pelo Pleno da Corte em virtude, principalmente, da não aplicação do percentual mínimo de impostos e transferências em educação e do repasse a menor de consignações destinadas ao INSS.

Segundo Barreto explicou, a Constituição Federal exige aplicação de pelo menos 25% desses recursos em manutenção e desenvolvimento do ensino, mas os demonstrativos apresentados no processo evidenciam que, apenas 22,32% foram destinados à área, correspondente ao valor de R$ 2.859.058,73.

Limites
O conselheiro substituto ressaltou que “o descumprimento dos limites com gastos em educação é irregularidade de extrema gravidade, sujeitando o ente federativo até mesmo à intervenção pelo Estado, conforme disciplina o art. 35, inciso III, da Constituição Federal”. Disse também, em seu relatório, que “a referida falha é agravada pelo fato de os indicadores sociais na área da educação do município (biblioteca, salas de leitura e laboratório de informática por escola, docente com grau de formação superior atuando no ensino fundamental e equipamentos de informática por escola) encontrarem-se abaixo da média do Estado”.

Repasses
Sobre a análise dos repasses das consignações previdenciárias, segundo relatório, foi constatado que, do total consignado nas folhas de pagamento dos servidores, R$ 79.069,16 deixaram de ser repassados ao INSS. Em relação a esse ponto, o relator lembrou que “os valores consignados não pertencem ao município, mas ao trabalhador que teve seu pagamento descontado” e que “a utilização indevida desses recursos constitui desvio de finalidade, sendo, inclusive, tipificada penalmente como apropriação indébita previdenciária (art. 168-A, do Código Penal)”. Barreto entendeu ainda que apesar do argumento apresentado pelo gestor, de que os referidos débitos foram parcelados junto ao INSS, eventuais parcelamentos de débitos previdenciários não isentam de responsabilidade o gestor que tenha dado causa à referida irregularidade.

Crédito
Também motivaram a desaprovação das contas a abertura de crédito especial sem prévia autorização legislativa; o descumprimento do limite total de despesa com pessoal estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal; a não comprovação da elaboração da Lei de Diretrizes Orçamentárias; a incompletude e a inconsistência de informações nos demonstrativos financeiros; e a não instituição de sistema de controle interno.

Mombaça
A aplicação de recursos em educação abaixo do limite mínimo também ocorreu em Mombaça, conforme apurado no processo, também relatado por Davi Barreto. O município aplicou apenas 21,59% em manutenção e desenvolvimento do ensino. Além desse fato, também motivaram a reprovação o aumento de despesas com pessoal nos últimos cento e oitenta dias anteriores ao final do mandato; abertura de crédito suplementar acima do limite autorizado na Lei Orçamentária; utilização de fontes de recursos sem autorização legislativa; utilização da fonte de recursos operação de crédito sem a contratação de referida operação; e incompletude e inconsistência de informações em demonstrativos financeiros.

Catunda
Já a prestação de contas de governo de Catunda, relatada pelo conselheiro substituto Itacir Todero, teve como principal causa da reprovação o não repasse de R$ 557.040,95 ao INSS, o que equivale a 62,22% do total de consignações em folha de pagamento de servidores.

E ainda
Segundo Todero, outras ocorrências foram identificadas no processo, como incompatibilidade entre informações apresentadas na prestação de contas e no Sistema de Informações Municipais (SIM); descumprimento de prazos de envio ao Tribunal da lei de diretrizes orçamentárias e da Lei Orçamentária Anual (LOA), não comprovação de realização de audiência pública para discussão da LOA, duodécimo repassado à Câmara fora do prazo legal, além de inconsistências e contradições em demonstrativos contábeis. Todas as Prefeituras e respectivas Câmaras serão notificadas.

Com informações do OE

Deixe uma resposta

GIPHY App Key not set. Please check settings