in

Presos do CE são campeões do NE em uso de celulares

O Governo do Estado não conseguiu instrumentos para barrar a entrada de celulares nos presídios e, em 2012, 3.158 aparelhos foram apreendidos, contra 1.243 no ano anterior

Uma reportagem do Jornal O Globo, edição deste domingo, aponta o Ceará como o Estado do Nordeste campeão no uso de celulares nas dependências internas dos presídios administrativos pelo Governo Estadual.

Os números oficiais destacam que, em 2012, foram apreendidos 3.158 aparelhos de celulares nas celas e nas mãos dos detentos. Em 2011, foram 1.243 apreensões. No Brasil, foram 34.945 celulares apreendidos.

Desde o início do primeiro mandato, o governador Cid Gomes (PSB) lançou o desafio de barrar o uso de celulares pelos presos, mas as ações desencadeadas não conseguiram neutralizar o ingresso dos aparelhos nas unidades carcerárias.

O então secretário de Justiça, Marcos Cals, iniciou estudos para contratação de serviços e aparelhos voltados a bloquear o uso de celulares prelos presidiários. Marcos deixou o cargo em março de 2008 sem ver o projeto concluído e, na atual gestão, sob o comando da Secretária Mariana Lobo, também, não houve avanço com resultados definitivos nesta área.

Os números revelados na reportagem do Jornal O Globo mostram, ainda, que, entre os estados que revelaram a realidade sobre a presença dos celulares nos presídios, o Ceará aparece em terceiro lugar em termos de apreensão de aparelhos em 2012, ficando atrás de São Paulo (9.924 celulares) e Paraná (3.814 apreensões).

De acordo com a reportagem, três estados – Rio de Janeiro, Amapá e Rondônia, não dispunham das estáticas oficiais ou não quiseram revelá-las. Entre os estados do Nordeste, Pernambuco apresentou a segunda maior apreensão de 2012 (2.779), seguido de Alagoas (1.000), Rio Grande do Norte (1.000), Paraíba (400), Maranhão (400), Bahia (250), Piauí (200) e Sergipe (106).

O Ceará tem sido notícia na área policial com os golpes aplicados pelos presidiários a partir de ligações feitas de dentro dos presídios. São golpes que levam os detentos a colocarem mais créditos em linhas de telefone celular e até mesmo a convencerem vítimas a fazer depósitos em contas bancárias.

Outro golpe aplicado é sobre sorteio de produtos (carros, motos, aparelhos eletrônicos, etc) por meio de veículos de comunicação.